Questão 8

Uso diário de hastes flexíveis de algodão pode causar sérios problemas auditivos 
É muito comum encontrar pessoas que façam uso das hastes flexíveis de algodão – mais conhecidas como cotonoides – diariamente, como se fosse mais uma parte da rotina de higiene, assim como tomar banho ou escovar os dentes, ou apenas mais um hábito do cotidiano. 
Porém, diferentemente do que muitas pessoas pensam, a cera de ouvido não é sujeira; ela existe para lubrificar a pele e não deixar que a derme descame, tentando evitar qualquer tipo de coceira ou dor na região do ouvido, protegendo-a. 
“Quando o indivíduo limpa os ouvidos com hastes flexíveis, ele pode causar uma lesão a esse órgão, que é muito sensível. Além de otites externas e sangramentos, existem casos de infecções e lesões na membrana timpânica, como a perfuração do tímpano e, em casos mais extremos, até surdez”, explica Rita de Cássia Cassou Guimarães, otorrinolaringologista, otoneurologista e mestre em Clínica Cirúrgica pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), de Curitiba. 
A especialista comenta que o ouvido tem um sistema de limpeza próprio, que expele todo o excesso produzido, inclusive a cera. “O organismo tem um processo eficiente de autolimpeza. A cera que fica no canal externo do ouvido é renovada naturalmente”, explica. 
Rita lembra que a cera forma uma camada de gordura que protege a pele do ouvido e previne a entrada de bactérias, fungos, vírus e corpos estranhos; por isso é tão importante e não pode ser totalmente retirada. 
“Todo mundo tem cera no ouvido, alguns mais e outros menos, é normal essa variação. Porém, se o excesso começa a incomodar, o ideal é procurar um médico”, ressalta. 
Segundo a otorrino, o grande problema de quem produz muita cera e não procura um médico é o fato de que, como o indivíduo se sente muito incomodado com isso, ele utiliza hastes flexíveis sempre e, sem querer ou perceber, pode até empurrar a cera para dentro do canal auditivo e próxima do tímpano. 
“Mesmo que fosse possível retirar toda a cera do ouvido, sem empurrá-la para dentro, a saúde dos ouvidos seria colocada em risco, uma vez que ela é a responsável por garantir a proteção, evitando as infecções e problemas de audição”, explica Rita. 
No caso dos indivíduos que produzem cera em excesso ou que têm o canal auditivo muito estreito, a cera pode obstruir completamente o canal auditivo externo e causar dificuldade na audição. “Nesses casos é preciso retirar a cera, mas o processo deve ser feito por um especialista, que fará a remoção com instrumentos próprios como aspiração que não irá agredir os ouvidos”, explica. 
Para quem não produz cera em excesso e quer “limpar” os ouvidos, a melhor solução é usar água corrente e sabão neutro durante o banho. “Após o banho, o ideal é enxugar bem o ouvido com uma toalha, sem introduzir nada nos canais auditivos, limpando somente até onde o dedo alcançar”, conclui Rita.
 
Assinale a alternativa que contém consequência da retirada da cera de ouvido de modo inadequado:
a)
b)
c)
d)
Carregando equações...
Já é cadastrado? Faça o Login!