Questão 8

Leia o fragmento do poema “Lembrança”, de Álvares de Azevedo, para responder o que se pede: 
 
Quando em meu peito rebentar-se a fibra 
Que o espírito enlaça à dor vivente, 
Não derramem por mim nem uma lágrima 
Em pálpebra demente. 
 
E nem desfolhem na matéria impura 
A flor do vale que adormece ao vento: 
Não quero que uma nota de alegria 
Se cale por meu triste passamento.
 
Eu deixo a vida como deixa o tédio 
Do deserto, o poento caminheiro 
– Como as horas de um longo pesadelo 
Que se desfaz ao dobre de um sineiro. 
[...]
 
Só levo uma saudade – é dessas sombras 
Que eu sentia velar nas noites minhas... 
De ti, ó minha mãe, pobre coitada 
Que por minha tristeza te definhas! 
[...] 
 
Se uma lágrima as pálpebras me inunda, 
Se um suspiro nos seios treme ainda 
É pela virgem que sonhei... que nunca 
Aos lábios me encostou a face linda! 
[...] 
 
Beijarei a verdade santa e nua, 
Verei cristalizar-se o sonho amigo... 
Ó minha virgem dos errantes sonhos, 
Filha do céu, eu vou amar contigo! 
 
Descansem o meu leito solitário 
Na floresta dos homens esquecida, 
À sombra de uma cruz, e escrevam nela: 
– Foi poeta – sonhou – e amou na vida.
 
Avalie as seguintes questões:
I. São características do poema: sentimentalismo (amor idealizado), fugas da realidade, saudades da infância, individualismo, desilusão e medo da morte.
II. Impregnado de egocentrismo, negativismo boêmio, pessimismo, dúvida, desilusão adolescente e tédio constante – característicos do ultrarromantismo, o verdadeiro “mal do século” –, seu tema preferido é a fuga da realidade, que se manifesta na idealização da infância, nas virgens sonhadas e na exaltação da morte.
III. Álvares de Azevedo escreveu ainda Noites na Taverna, livro de contos, além de Macário, texto dramático inacabado devido à morte prematura do escritor, que já vinha caminhando, nos últimos anos de vida, por temáticas indianistas e abolicionistas.
Está(ao) correta(s):
a)
b)
c)
d)
e)
Carregando equações...
Já é cadastrado? Faça o Login!