Texto: Nomenclatura Científica

Nomenclatura Científica

No século XVII, o inglês John Ray tentou estabelecer um critério seguro de classificação definindo espécie como um grupo de indivíduos semelhantes e que tem ancestrais comuns. Lineu propôs em seu livro intitulado Systema Naturae, de 1735, as bases do sistema de classificação biológica adotado hoje por toda a comunidade científica. A necessidade de um sistema universal de nomenclatura científica obrigou o cumprimento de um conjunto de regras que serão enumeradas a seguir.
 
 

Regras de Nomenclatura Científica

 
  • Todo nome científico deve ser escrito em latim ou adaptado (latinizado).
 
 
Exemplo: Trypanossoma cruzi (protozoário e agente causador da doença de Chagas).
 
 
 
A palavra cruzi é uma transliteração para o latim do nome próprio Osvaldo Cruz, homenageado por Carlos Chagas (pesquisador que descobriu e descreveu a espécie).
 
 
 
  • Todo nome científico deve ser escrito em itálico em impressões gráficas. Se for manuscrito, pode ser grifado.
 
 
Exemplo: Trypanossoma cruzi ou Trypanossoma cruzi.
 
 
  • Cada espécie deve ser designada por um nome científico com uma nomenclatura única binominal, em que o primeiro nome refere-se ao gênero e o segundo à espécie.
 
 
Exemplos: Trypanossoma cruzi, Canis familiaris (cão), Apis mellifera (abelha), Coffea arabica (café) etc.
 
 
Onde: Trypanossoma = gênero 
           cruzi = espécie
 
 
 
  • O primeiro nome, referente ao gênero, deve ser um substantivo escrito sempre com a letra inicial maiúscula.
Exemplos: Trypanossoma; Canis; Apis; Coffea.
 
 
  • O segundo nome, referente à espécie, deve ser um adjetivo escrito sempre com a letra inicial minúscula.
Exemplo: cruzi; familiaris; mellifera; arábica.
 
 
  • Na sequência do nome da espécie pode-se escrever o nome do autor que primeiro a descreveu por extenso ou abreviado, sem nenhuma pontuação intermediária, seguindo-se depois uma vírgula e o ano em que o nome científico foi publicado pela primeira vez.
Exemplo: Canis familiaris Lineu, 1758.
  
 
  • A nomenclatura é uninominal para o gênero, binominal para a espécie e trinominal para a subespécie.
Exemplo: Chelonoidis nigra abingdoni (tartaruga gigante de Galápagos).
Onde: Chelonoidis = gênero
           Nigra = espécie
           Abingdoni = subespécie
  
 
  • Caso uma mesma espécie possua dois nomes científicos, dados por autores diferentes, prevalece, pela lei da prioridade, a denominação mais antiga.
 
  • Quando o termo sp for colocado ao lado de um gênero, significa que este possui mais de uma espécie. Ao citar uma espécie que ainda não tenha sido identificada e que seja pertencente a um determinado gênero, também se usa sp.
Exemplo: Aedes sp.
 
Pode ser o Aedes aegypti ou Aedes albopictus. Para englobar várias espécies de um gênero, a abreviatura a ser utilizada é spp.
 

 

Um Exemplo de Classificação Sistemática

Você pode pensar em qualquer ser vivo conhecido. Todos estão inseridos em um sistema taxonômico de classificação. Veja o exemplo do pernilongo:
    
 
Sistema Taxonômico de classificação do pernilongo


Em Resumo

O sistema de classificação e nomenclatura científica engloba um conjunto de regras. O nome científico de uma espécie é sempre binominal, cujo primeiro termo refere-se ao gênero e o segundo à espécie. O nome do gênero sempre será iniciado por letra maiúscula e o da espécie por letra minúscula.
Vamos Praticar?
Já é cadastrado? Faça o Login!