Texto: O Que Faz Um Ser Vivo?

O Que Faz Um Ser Vivo?

Neste tópico iremos identificar com maior detalhe quais são as características que separam os seres vivos dos elementos não vivos. Você já parou para pensar no que te diferencia de uma rocha? Você já viu uma rocha se alimentar, locomover ou comunicar? E você? Por acaso você conseguiria ficar mais de um ano sem se alimentar ou beber água? Rapidamente percebemos que existem diferenças visíveis entre um animal e a uma rocha. Cada tipo de ser tem as suas particularidades que o separam de outros seres. Os seres vivos apresentam características específicas que a partir de agora serão discutidas.
 


Organização Celular

A célula é a unidade básica da vida. É nela que ocorrem todos os processos necessários para que o organismo se mantenha vivo. Existem duas reações metabólicas que ocorrem na célula e que são as mais importantes para os organismos vivos. A primeira delas é a respiração celular, que é o processo no qual o alimento consumido pelo organismo é utilizado pela célula para produzir a energia necessária para funcionar. Já a fotossíntese é o processo pelo qual alguns organismos como as plantas e as algas produzem moléculas de alimento que utilizam para sobreviver, já que esses organismos não se alimentam de outros. Isso não quer dizer que os vegetais não realizem a respiração celular. Elas também realizam esse processo, uma vez que suas células também necessitam de energia para trabalhar. Vale ressaltar também que é durante a fotossíntese que é liberado o oxigênio usado na respiração celular. 

Além disso, todos os organismos vivos possuem célula, podendo ser apenas uma (seres unicelulares) ou mais de uma (seres pluricelulares).
 
As células dos organismos podem apresentar diversas formas, como o ilustrado acima para os grupos de bactérias. As imagens não apresentam escala e as cores são ilustrativas
 


Composição Química

Os seres não vivos são compostos pelos mais variados elementos que se apresentam em quantidades diferentes em cada ser. Já os seres vivos são constituídos basicamente pelos mesmos elementos químicos: o carbono (representado pela letra C), o hidrogênio (H), o oxigênio (O) e o nitrogênio (N). Estes elementos são os mais abundantes nos seres vivos. Entretanto, isso não quer dizer que um organismo é formado exclusivamente por eles. Existem outros inúmeros elementos diferentes que são importantes para a manutenção da vida, como por exemplo o cálcio (Ca), que permite a movimentação muscular.
 
Acima estão representados os esquemas das moléculas de dois importantes elementos químicos para os seres vivos: o gás carbônico (A) e  a água  (B). As cores são ilustrativas
 
 

Energia Química

Todo ser vivo precisa de uma fonte de energia para manter-se vivo ao longo de sua existência. Essa energia está contida nas ligações químicas das moléculas que são absorvidas na forma de alimento. Existem duas formas pelas quais os organismos podem obter o seu alimento: produzindo-o por meio de reações químicas, como por exemplo, as plantas e as algas que realizam a fotossíntese, ou obtendo-o por meio da ingestão de outros organismos, como é o caso dos animais. Dá-se o nome de autotróficos para aqueles que fabricam seu próprio alimento e aqueles que precisam se alimentar de outros seres vivos para sobreviver de heterotróficos.
 
Exemplos de organismo autotrófico, como as plantas (A) e organismo heterotrófico, como os fungos (B)
 
 

Você Sabia?

Amaioria dos seres vivos retira a energia necessária para a realização dos processos celulares por meio de uma molécula chama adenosina trifosfato, ou simplesmente ATP. Essa energia provém da separação das moléculas de fósforo (elemento químico representado pela letra P).
 


Percepção do Ambiente

Para sobreviver, os seres vivos têm que ser capazes de identificar e responder aos estímulos provocados pelo ambiente a sua volta. Para não ser morto, um animal que está sendo caçado tem que ter a capacidade de perceber um eventual predador e desenvolver uma resposta contra isso, que no caso poderia ser correr ou se esconder. Os estímulos mais conhecidos são: modificações de luminosidade, som, composição química do meio, pressão e movimento. Apesar de não ser de fácil visualização, os vegetais também recebem estímulos e respondem a eles. Um exemplo interessante é o caso do girassol, que é uma planta capaz de perceber a intensidade da luz do sol e mudar a sua posição para receber os raios luminosos.
 
Os girassóis são plantas capazes de alterar a sua posição de acordo com os raios solares. Essa planta é cultivada, principalmente, para a produção de óleo vegetal extraído de suas sementes
 
 

Saiba Mais!

Diversos animais desenvolveram técnicas para evitar o ataque de um predador. O polvo, por exemplo, possui um órgão que produz uma substância escura que é liberada quando ele percebe a presença de um predador.          
                         
                          Polvo liberando um jato de tinta para escapar do predador
 
 

Ciclo de Vida, Reprodução e Hereditariedade

Os organismos sofrem modificações ao longo de seu desenvolvimento, desde o nascimento até a morte. Esse processo é chamado de ciclo da vida e as suas principais fases são: nascimento, crescimento, reprodução, envelhecimento e morte. Em cada fase, o indivíduo possui características e atividades diferentes. No nosso caso, no início da vida somos vulneráveis e dependentes dos pais para a alimentação. Já quando estamos adultos conseguimos fazer todas as atividades e não dependemos de nossos pais para a sobrevivência. 

Como vimos, a reprodução faz parte do ciclo da vida. Todo organismo vivo tem que apresentar a capacidade de perpetuar a vida para uma próxima geração. Sem essa capacidade, a vida não teria como se propagar ao longo do tempo. Chama-se de reprodução a capacidade do ser vivo de originar um novo ser semelhante a ele. O processo de reprodução é fundamental para garantir a continuidade das espécies. Além disso, é por meio desse processo que os seres vivos transmitem as informações genéticas de sua espécie para os seus descendentes (hereditariedade).

Existem dois tipos de reprodução. A primeira delas é a reprodução sexuada. Nesse tipo de reprodução ocorre a combinação de material genético das células sexuais (gametas). Este processo é importante, pois é a mistura de material genético que propiciará a formação de um ser vivo com maior variabilidade genética, permitindo que tenha vantagem na adaptação ao ambiente em que se encontra. A reprodução sexuada é a forma pela qual a maioria dos animais se reproduz, tal qual a espécie humana. 

Já na reprodução assexuada não existe a combinação de material genético para originar um novo organismo. Este tipo de reprodução é comum em seres unicelulares e não envolve a união de gametas sexuais. Alguns seres pluricelulares, como algumas espécies plantas, conseguem se reproduzir assexuadamente por meio do desenvolvimento de partes de seu organismo, como por exemplo os ramos. Este tipo de reprodução assexuada é chamada de reprodução vegetativa.
 
Esquemas do processo de reprodução sexuada no qual o gameta masculino se combina ao gameta feminino, processo denominado de fertilização (A), e de reprodução assexuada, na qual a célula se divide em duas novas células (B). As figuras não possuem escala e as cores são ilustrativas
 
 

Evolução

Uma característica peculiar dos seres vivos é a capacidade de se transformarem ao longo do tempo. Como foi dito no tópico anterior, no núcleo de todas as células existe o material genético que é a molécula que contém toda a informação necessária para constituir o organismo. Entretanto, essas informações podem sofrer alterações ao longo do tempo durante a reprodução do indivíduo, gerando diferenças entre os organismos.

Essas variações promovem diferenças na habilidade dos indivíduos de responder aos estímulos ambientais e, consequentemente na capacidade de sobrevivência e reprodução. Nesse contexto, apenas as espécies mais adaptadas ao ambiente continuam vivendo. O processo de mudança dos organismos ao longo do tempo é denominado de evolução, e é por meio dele que surgem novas características nos seres vivos podendo resultar em novas espécies.

A evolução é um processo muito lento, podendo levar milhões de anos e este assunto será tratado com mais detalhes nos próximos temas.
 

Leitura

Percepção de Estímulos: o Exemplo da Dionéia
Como foi dito anteriormente, as células vegetais são capazes de produzir seu próprio alimento por meio da fotossíntese. Entretanto, existem algumas espécies de plantas que, além de realizar a fotossíntese, necessitam de outras fontes de energia para complementar a sua nutrição. Essa necessidade está associada a ambientes que apresentam solos pobres em nutrientes. Geralmente, essa deficiência é suprida pela captura de pequenos insetos por meio de interessantes mecanismos desenvolvidos por essas plantas.
A dionéia (Dionaea muscipula) apresenta uma folha modificada com aparência semelhante à de uma boca e que funciona como um estômago, pois tem a capacidade de digerir o animal capturado. A parte interna dessa folha apresenta pequenos pelos que são extremamente sensíveis ao toque. Além disso, elas produzem néctar, exalando um cheiro doce que atrai os insetos para a folha. Dessa maneira, assim que o inseto chega à folha em busca dessa substância, os pelos sensíveis ao toque são ativados e a “boca” da planta fecha, capturando o inseto.
Espécie vegetal conhecida popularmente como planta carnívora (Dionaea muscipula), detalhes das folhas modificadas para a captura de insetos e da mosca capturada pela planta
 
 

Em Resumo

Existem características que separam os seres vivos dos seres não vivos. Como já foi visto anteriormente, todo organismo vivo possui uma unidade fundamental que é responsável por mantê-lo vivo: a célula. Está unidade apresenta basicamente a mesma composição em todos os seres vivos, que são formados principalmente por quatro elementos químicos: o carbono, o hidrogênio, o oxigênio e o nitrogênio. 

Para manter-se vivo, o organismo precisa de energia. Essa energia é fornecida por meio de substâncias que constituem o alimento absorvido pelo organismo. Outra importante característica é a percepção de estímulos originados do ambiente em que o ser vivo está inserido. Isto permite que ele reaja às situações desfavoráveis a sua sobrevivência.

Sobreviver é importante, pois o organismo precisa perpetuar a vida para dar continuidade a sua espécie. A reprodução é a forma que os seres vivos encontraram para garantir esse processo. Conforme a vida é perpetuada, as informações contidas em suas células são transmitidas para os seus descendentes (hereditariedade). Além disso, os organismos mudam ao longo do tempo (processo chamado de evolução). Esse processo é muito lento e está associado às adaptações das espécies às pressões ambientais, entre outros fatores.
Já é cadastrado? Faça o Login!