Texto: Biomas Brasileiros: Mata Atlântica, Araucárias e Campos (Pampas)

Biomas Brasileiros: Mata Atlântica, Araucárias e Campos (Pampas)

Continuando os nossos estudos sobre os biomas brasileiros, nesta seção estudaremos os demais biomas: a Mata Atlântica, a Mata das Araucárias e os Pampas (ou Campos). Com isso, finalizamos a aprendizagem sobre todos os biomas do Brasil.

 

Saiba Mais!

Assim como o Pantanal, que é uma formação única, mas considerada como área de transição, no Brasil existem outros locais que não são considerados biomas, mas que apresentam características singulares, como a Mata dos Cocais e os Manguezais. Procure saber um pouco mais sobre essas formações vegetais!

 

Mata Atlântica

A Mata Atlântica foi o primeiro bioma que os portugueses tiveram contato ao chegarem ao Brasil, no século XV. Estendia-se, originalmente, por todo o litoral brasileiro. Entretanto, por estar localizado numa área onde a ocupação foi maior, com grande parte das cidades e da população brasileira vivendo sobre esse espaço geográfico, tal bioma sofreu bastante degradação ambiental, restando poucas áreas preservadas.

 

Mata Atlântica, Rio de Janeiro/RJ

 

Do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, entrando para o interior de vários estados brasileiros no meio desse caminho, a Mata Atlântica apresenta características semelhantes às encontradas nas florestas Amazônicas, mas com menor biodiversidade. Com uma floresta fechada e heterogênea, de árvores altas, latifoliadas e higrófilas, confunde-se com a Amazônia, mas a sua localização (próxima ao oceano Atlântico) a torna um bioma de características únicas.  

 

Ao longo dos séculos sofreu grande devastação, sobretudo para a abertura de caminhos, a formação de cidades e a comercialização da grande variedade de madeiras de lei. A madeira de lei mais famosa é o pau-brasil, que originou o nome do nosso país, além da devastação de áreas para plantio da cana-de-açúcar.  

 

Você Sabia?

Florestas latifoliadas e higrófilas significam que suas folhas são largas e acostumadas com muita água. Por isso, tanto na Amazônia quanto na Mata Atlântica as florestas são semelhantes, apresentando grande biodiversidade. Então, lembre-se: latifoliada = folhas largas; e higrófila = acostumada ao ambiente úmido. 

 

Mata das Araucárias

As araucárias são espécies vegetais muito imponentes e de beleza natural inconfundível. Esse tipo de vegetação arbóreo somente ocorre em ambientes mais frios, de baixas temperaturas e com umidade regular. São florestas homogêneas, ou seja, não há uma diferenciação muito grande no que diz respeito à diversidade da vegetação.

 

Mata de Araucárias, Gramado/RS

 

Conhecida também como pinheiro, essa formação vegetal se localiza predominantemente no estado brasileiro do Paraná, sul do Brasil. Entretanto, em regiões mais elevadas do Sudeste, esse tipo de vegetação pode ser encontrado de forma isolada, com alguns exemplares.

 

São vegetais grandes, cuja altura varia de 25 a 50 metros. Por esse motivo, a degradação foi muito intensa no passado, para a exploração de sua madeira. Além disso, o desflorestamento para ocupação de áreas voltadas às atividades de pecuária foi outro fator que culminou com o desmatamento desse importante bioma brasileiro.

 

Pampas

Os Pampas, também chamados de Campos, são formações vegetais que ocorrem no sul do país, no Rio Grande do Sul, próximo da fronteira com a Argentina e o Uruguai. Esse nome é dado em virtude da vegetação predominante, formada por gramíneas e poucos exemplares arbóreos. A região apresenta clima subtropical, de baixas temperaturas, principalmente no inverno.

 

Apesar dos poucos exemplares arbóreos presentes nos Pampas, o bioma também sofre com a degradação causada pelo homem, principalmente com as atividades de pecuária, conforme mostra a fotografia. Essa atividade faz com que o solo sofra degradação por meio do pisoteamento de gado e da retirada de vegetação rasteira.

 

Pampas – atividade pecuarista

 

Leitura

Desmate destruiu 1,23% do pampa gaúcho em seis anos – Thais Bilenky, de Brasília.

 

“Entre 2002 e 2008, o pampa gaúcho teve 1,23% de sua área destruída, totalizando 2.200 km2 de desmate, indica levantamento inédito do Ministério do Meio Ambiente. O bioma com gramíneas e plantas rasteiras tem hoje só 36% da extensão original, mesmo tendo sido o que menos sofreu em anos recentes. Dos 177,8 mil km2 do bioma no Brasil, calcula-se o abate de 364 km2 ao ano. ‘Sabíamos que havia perda, mas não sabíamos a magnitude’, disse a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Segundo ela, a pecuária foi o motor da devastação ao longo dos anos. ‘Um pico de entrada de soja’ explicaria o desmatamento mais recente.


Já se sabe com precisão que restam 52% do Cerrado, 54% da Caatinga e 85% da Amazônia (o número depende do critério usado). No mês que vem, o ministério divulga dados da Mata Atlântica, único bioma ainda sem análise recente por satélite”.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/fe2307201004.htm

 

Em Resumo

Os biomas da Mata Atlântica, da Mata das Araucárias e dos Pampas são tão importantes quanto aos outros já estudados. Apresentam características típicas de suas localizações geográficas, influenciadas notadamente pelos tipos climáticos de cada região. Com o avanço das atividades agropecuárias e da urbanização do território brasileiro, esses biomas não estão livres da degradação ambiental oriunda da má utilização de ambientes naturais.

Já é cadastrado? Faça o Login!