Texto: Gêneros Textuais: Poemas I

Gêneros Textuais: Poemas I

Como você já viu anteriormente, o ser humano utiliza padrões de mensagens escritas organizadas, com uma finalidade específica. Quando você quer mandar uma mensagem pelo celular a um amigo, utiliza um certo tipo de linguagem. Já quando sua intenção é escrever um e-mail, tanto a linguagem quanto a disposição das palavras no corpo do texto seguem um padrão. Há vários gêneros de texto, e eles seguem padrões que facilitam sua identificação e seu uso. Neste tópico e no próximo, iremos estudar um gênero textual muito rico e comum em nossa cultura e sociedade: o poema.
 


Prosa e Poesia

Há dois tipos possíveis de texto. Eles podem ser escritos em prosa ou em poesia. Vejamos suas principais características:
  • Prosa: apresenta estrutura do texto e linguagem que não são versificadas, ou seja, não são construídas na forma de versos. É o modo mais comum e direto de expressar os pensamentos. Exemplos:
→ Fenômeno químico ocorre com a formação de novas substâncias. Um fenômeno químico, como a combustão, transforma uma substância em outra, com diferentes propriedades químicas.
 
Fenômenos físicos são todas as transformações da matéria sem alterar sua composição química. É todo fenômeno que ocorre sem que haja a formação de novas substâncias.

→ A rua estava deserta e as casas fechadas. Macário, passeando a sapata de pedras desiguais, esburacada e velha, não podia expandira agitação intestina que lhe escaldava o sangue e bulia com os nervos; só oferecia derivativo à atividade a que se entregava a passos incertos, ziguezagueando às vezes como um ébrio, dando topadas que lhe irritavam os calos e despelavam o bezerro novo das botinas de rangedeira.

O missionário – Inglês de Sousa
 
  • Poesia: é a arte de escrever em versos, ao passo que o poema é a obra ou o texto escrito em versos. Por verso, podemos entender cada linha de um poema, e o conjunto de versos é denominado estrofe. Observe os exemplos seguintes:
 

Atenção!

Poesia é a arte de escrever versos. Poema é o texto escrito em versos.

→ João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para o Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
 
Quadrilha 
Carlos Drummond de Andrade

Fonte: http://www.jornaldepoesia.jor.br

Este poema possui vários versos e somente uma estrofe.
 
Carlos Drummond de Andrade
 
 
 
Soneto de fidelidade – Vinícius de Morais
Fonte: http://www.releituras.com

Já neste outro poema, é possível você perceber a presença de versos que compõem estrofes, as quais compõem o poema.
 
Vinícius de Morais


Métrica, Rima e Ritmo dos Poemas

O poema, como gênero textual, apresenta algumas características em sua forma que nos auxiliam em seu estudo e em sua identificação. 


Métrica

Métrica é a análise do metro do poema. Ela leva em conta a extensão ou a medida da linha poética. Para se contar o número de sílabas poéticas, é necessário perceber qual é a última sílaba mais forte de cada verso. Observe o exemplo a seguir:

Quem dera
Que sintas
As dores
De amores
Que louco
Sen ti!
 
A valsa – Casimiro de Abreu
Fonte: http://www.jornaldepoesia.jor.br

Observe que a sílaba poética desses versos é a segunda. Quando analisamos as sílabas poéticas, é necessário ler cada verso e perceber qual é a última sílaba tônica de cada um.
 

Saiba Mais!

Versos sem métrica definida são chamados de versos livres.


Rima

Rima é a coincidência ou a semelhança sonora que ocorre no final dos versos e, menos frequentemente, no meio dos versos. Não é obrigatória nos poemas, uma vez que há vários deles que não apresentam rimas, mas tornam agradável a musicalidade em um poema. Podemos dividir as rimas em perfeitas ou imperfeitas, dependendo da semelhança sonora que encontramos. Também podemos classificá-las em pobres ou ricas, respectivamente, quando encontramos palavras de mesma classe gramatical ou de diferente classe gramatical. Exemplo: 
 
Perdi-me dentro de mim → Rima 1
Porque eu era labirinto, → Rima 2
E hoje, quando me sinto, → Rima 2
É com saudades de mim. → Rima 1
 
Dispersão – Mário de Sá-Carneiro

As rimas das palavras labirinto e sinto são perfeitas e ricas (labirinto é substantivo e sinto, verbo).
 

Você Sabia?

Versos sem rimas são chamados de versos brancos.

 

Ritmo

Ritmo é o principal elemento que distingue a poesia da prosa. Por meio da alternância de sílabas átonas (fracas) e tônicas (fortes), obtemos a melodia típica dos poemas essencial a eles. Perceba o ritmo no poema a seguir:
 
Café com pão 
Café com pão
Café com pão
Virge Maria que foi isso maquinista?

Agora sim
Café com pão
Agora sim
Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força
 
(trem de ferro, trem de ferro)

Trem de ferro – Manuel Bandeira
Fonte: http://www.casadobruxo.com.br
 
Manuel Bandeira

Observe que o ritmo do poema se dá pela sucessão das sílabas fracas e fortes. Nesse caso, temos também um ritmo de leitura que sugere o som emitido por trem de ferro.
 


Em Resumo

Já é cadastrado? Faça o Login!