Texto: Criminalidade Juvenil

Criminalidade Juvenil

 

Warm-up

Ações Integradas Contra a Criminalidade Juvenil

Além da revisão do ECA, com a redução do limite da maioridade penal, é preciso conter a evasão escolar e dotar as instituições de programas correcionais eficazes
 
Os números assustam: nos três primeiros meses do ano, mais que dobrou a quantidade de menores apreendidos no Rio de Janeiro por envolvimento com atividades criminosas. A comparação é com o mesmo período de 2012. Se o cotejo (confronto) recuar a 2011, o quadro é ainda mais sombrio. Em relação ao primeiro trimestre daquele ano, triplicou o total de recolhimento de jovens delinquentes a instituições correcionais.
Entre as causas do fenômeno, segundo a polícia fluminense, estão as mudanças na estrutura do tráfico de entorpecentes pós-pacificação: crianças e adolescentes que atuavam em ações secundárias (como olheiros e aviões) nos morros onde as quadrilhas foram asfixiadas pelas UPPs, desceram ao asfalto para vender drogas. Evidência dessa tese são os índices de crescimento da participação dos jovens em crimes na capital (237%, contra 134% no interior).
 
São indicadores de diversas evidências. Uma delas, que pede ação imediata, diz respeito à legislação, principalmente no que tange à inimputabilidade de autores de crimes graves, abrigados sob a capa do Estatuto da Criança e do Adolescente. O ECA é uma lei orgânica com um importante arcabouço de proteção à juventude. Mas, em relação ao problema do crescimento da criminalidade juvenil, está fora de sintonia com a realidade do país. É preciso que a legislação flexibilize-se para responder com mais rigor a criminosos que, mesmo não tendo atingido a maioridade, estão numa faixa etária que lhes confere plena consciência de seus atos.
 
De qualquer forma, esse é apenas um dos ângulos da questão. Prender-se só a ele corresponderia a enfrentar o aumento da criminalidade juvenil com soluções pontuais, passo para a eternização do fracasso. Ao lado da revisão da lei, impõem-se outras providências. É crucial, por exemplo, manter os jovens na escola — e, nesse aspecto, o país não tem feito o dever de casa. O Brasil tem meio milhão de crianças entre 7 e 14 anos fora das salas de aula. Nas regiões mais pobres, apenas 40% dos alunos terminam a educação fundamental. Na faixa até 17 anos, de cada cem estudantes que entram no ciclo fundamental só 59 terminam a 8ª série e 40 concluem o ensino médio. É uma taxa de evasão perversa, seara para a criminalidade.
 
Há ainda o problema das instituições de acolhimento, uma rede que em geral está longe de cumprir seu papel na correição e ressocialização de menores. A esse viés, está diretamente relacionada a eventual revisão do ECA, pois, com a redução da maioridade penal, o país precisaria criar programas eficazes de reinclusão de jovens delinquentes; punir apenas não contribui de forma integral para resolver a questão de fundo — a redução da criminalidade com a oferta de opções dentro da cidadania a adolescentes atraídos pelo canto da sereia da marginalidade. São aspectos de uma mesma equação, portanto impossível de ser solucionada apenas em parte.
 
 
 
 

Reading Time

As Youth Crime Spikes, Brazil Struggles for Answers
By Lourdes Garcia Navarro
April 30, 2013
 
In Rio de Janeiro tourists are drawn to Copacabana for its wide beach and foliage-covered cliffs. But a month ago, not far from the tourist hub, an American woman and her French male companion were abducted. She was brutally gang-raped; he was beaten.
 
Perhaps what was most shocking to Brazilians, though, was the age of one of the alleged accomplices: He was barely in his teens.
 
“Why? That’s what you ask yourself,” says Sylvia Rumpoldt, who is walking with a friend at dusk by the sea in Rio. “It’s horrible. It’s criminal energy.”
 
Her friend, Maria de Paula, agrees. “What’s happening with children in Brazil is barbaric,” she says.
 
Crime in the South American nation has been in the headlines recently, especially as it prepares to host two major sporting events — the World Cup in 2014 and the Summer Olympics in 2016.
 
But a recent spate of attacks by minors has kicked off a heated debate here. Children increasingly aren’t only the victims of violence in Brazil, they are often the perpetrators — and the country is struggling with what to do about it.
 
 
 

Youth Crime Soars
Crimes committed by young people are on the rise. In the past 10 years, arrests of minors for robbery and murder have jumped 138 percent in the state of Sao Paulo alone, according to police statistics. One recent example: police apprehended a gang of 10-year-olds this month for using toy guns to hold up commuters at traffic lights.
 
The reasons for the rise in youth crime are complex, experts say.
 
Andre Martins, an associate professor at Federal University of Rio de Janeiro, is a psychiatrist who has studied troubled teens. In some ways, he says, the surge in youth crime is a product of Brazil’s economic boom.
 
He notes that on the one hand, Brazilian children have no proper preschool, and there is no day care. That means that in poorer areas, kids grow up on the streets from an early age.
 

“They have not learned empathy and how to deal with others,” Martins says. “And then they are bombarded with the message that they have to consume. But they don’t have access to what they want, and they try and get it at any price. Add to that the issue of drugs — there is a crack epidemic in Brazil — and you have a lethal mix,” he says.
 
For many, the answer to the problem is tougher measures against juvenile offenders.
 
Hundreds of people gathered on a recent weekend to demand that authorities lower the age of criminal responsibility in Brazil to 16 from 18.
Another headline-grabbing incident this month prompted the wave of protests: A 19-year-old university student was killed by a 17-year-old recidivist who was trying to take the student’s cellphone.
 
Airton Deppman is the uncle of the college student who was killed.
 
“We are fighting here to change this law that we believe is not making justice for the people who are struggling to make a better society here in Brazil,” Deppman says.
 
In a poll carried out last week, a whopping 93 percent of people agree the law should change.
 
But some activists and psychologists who work with minors say doling out more punishment isn’t the answer.

 

A Generation at Risk

On a recent morning in Brazil’s largest city, Sao Paulo, a group of children mimic their teacher as they learn dance steps during a class in a poor neighborhood.
 
It’s part of a program run by the Maria Helen Drexel Association that takes street kids and fosters them in more stable environments.
Program founder, Father Joao Drexel, says the aim is to give children a strong, nurturing foundation.
 
He says his organization has been working for 40 years, but things have changed: many of the children who come to them now have already been exposed to criminal behavior.
 
“The children that come today are much more difficult than 20 years ago and 30 years ago,” Drexel says.
 
He says putting younger teens in prison won’t help the situation. Brazil has to address the underlying causes of the violence.
 
“Our government has not invested in housing, not invested in health, education,” he says.
 
As a result, Drexel says, an entire generation is growing up at risk.
 
 
 
 

Violent Youth Crimes in Brazil Spark Debate over Sentencing of Minors
Brasilia, May 1 2013(EFE)
 
A series of horrific crimes attributed to minors has touched off a debate in Brazil about the age at which young offenders should be allowed to be charged as adults, with those demanding tougher sentences for youth convicts pitted against humanitarian groups and the federal government.
 
In the latest shocking crime, a female dentist was burned alive by a 17-year-old robber after he only found 30 reais ($15) in her possession.
 
Days earlier, two minors aged 14 and 15 stabbed and killed a 70-year-old woman during an attempt to steal her car, while in March a man was slain at the door of his home by a robber a few days shy of his 18th birthday.
 
All three crimes occurred in Sao Paulo.
 
In response, Sao Paulo state Gov. Geraldo Alckmin has proposed stiffening penalties in cases of murders, rapes and other serious crimes committed by minors.
 
He has won the backing of some political parties but been opposed by human rights groups and President Dilma Rousseff’s administration.
“I’m against it. Anyone who believes crime prevention can be achieved by waving a magic wand ignores the real problems afflicting our society today,” Justice Minister José Eduardo Cardozo said.

The minister said putting minors in adult prisons would only exacerbate the problem given the “reality” of the country’s prisons, which he characterized as “schools of crime.”
 
Brazil has the world’s fourth-largest prison population after the United States, Russia and China, with 514,000 inmates, 30 percent more than the institutions were built to hold.
 
Around 18,000 juvenile offenders are housed at detention centers until the age of 18, when they are released with a clean slate regardless of the crime they committed.
 
 
 

Reading Analisys

 

Top 10 Vocabulary

1 - to spike = if the number or rate of something spikes, it increases quickly and by a large amount.

2 - to struggle = to try extremely hard to achieve something, even though it is very difficult.

3 - hub = the central part of an area, system, etc. to which all the other parts are connected.

4 - clean slate = a situation that shows that someone has behaved well or not made any mistakes.

5 - commuters = a person who travels to work over an appreciable distance, usually from the suburbs to the centre of a city.

6 - to prompt = to make someone decide to do something, especially something that they had been thinking of doing.

7 - to foster = to help to develop a skill, feeling, idea, etc. over a period of time; to take care of someone else’s child for a period of time and
have them live with you, without becoming their legal parent.

8 - to spark = to encourage someone to try harder to do something well, by doing it well yourself.

9 - to pit (against) = to compete, argue, or fight with someone, or test your strength, ability, power etc. against theirs.

10 - t o stiffen = to become stronger, more severe, or more determined.
 

 

False Friends (Be careful!)

 
barely = in a way that almost does not happen, exist, etc. ≠ barbarously = in a very cruel and violent way.

increasingly = more and more, all the time. ≠ unbelievably = in an extremely surprising (especially) good way.

expert = someone who has a special knowledge of a subject, gained as a result of training or experience. ≠ clever = able to use your intelligence to do something, especially in a slightly dishonest way; able to learn and understand things quickly.

college = an institution of higher education; part of a university. ≠ high school = a secondary school from grade 7 to grade 12 (in US and NZ).
 
convict = someone who has proven to be guilty of a crime and sent to prison. ≠ confident, sure = sure that you can do something or deal with a situation successfully.
 

 

Words Often Confused

 
open = aberto (adjetivo)

opened = abriu, aberto (passado ou particípio de “open”)

personal = pessoal (adjetivo)

personnel = pessoal (substantivo), grupo de pessoas que trabalham numa companhia.
 


3.4. Pronunciation Analisys

 
  • though = “dôu”
  • police = “polís”
  • example = “igzêmpol”
  • tougher = “tâfer”
  • exacerbate = “igzáserbeit”

 

Spelling Analisys

Os sufixos -HOOD, -SHIP, -DOM e -ERY formam substantivos com o significado de “status, domínio, condição”.
 
BrotherHOOD (irmandade)  do substantivo “brother”

FriendSHIP (amizade)  do substantivo “friend”

KingDOM (reino)  do substantivo “king”

NunnERY (convento)  do substantivo “nun”

ChildHOOD (infância)  do substantivo “child”

FatherHOOD (paternidade)  do substantivo “father”

LikeliHOOD (probabilidade)  do substantivo “likely”

CompanionSHIP (companheirismo)  do substantivo “companion”

LeaderSHIP (liderança)  do substantivo “leader”

RelationSHIP (relacionamento)  do substantivo “relation”

BoreDOM (tédio)  do substantivo “bore”

FreeDOM (liberdade)  do substantivo “free”

MartyrDOM (martírio)  do substantivo “martyr”

RefinERY (refinaria)  do substantivo “refine”

SlavERY (escravidão)  do substantivo “slave”

NursERY (enfermaria - berçário)  do substantivo “nurse”
 

 

Vocabulary Flashback (Crimes and Justice)

 
 
 


Grammar Analisys

Plural dos Substantivos - Plural of Nouns
(aproveite este tópico para aumentar seu vocabulário)
 
Regra geral: à semelhança do português, a maioria dos substantivos tem seu plural formado a partir do acréscimo de “-s” ao seu singular:
 
  • one pencil / eighteen pencilS
  • one car / a garage full of carS

Exceções? Não poderia deixar de haver! E se pensarmos nos nossos substantivos em português, veremos que também existem exceções na formação do plural, o que chamamos de plurais irregulares (anel - anéis). 
 
Substantivos que terminam em -CH, -S, -SS, -SH, -X, -Z e a maioria dos substantivos que terminam em -O: acrescenta-se -ES no final.
 
  • one dress - a rack of dressES (uma estante de roupas)
  • one buzz - many buzzES of many beeS  (muitos zunidos de muitas abelhas)
 

-CH:

  • church - churchES (igrejas)
  • match - matchES (fósforos)
  • watch - watchES (relógios) 
 
Exceções: substantivos que terminam em -CH com som de /K/: acrescenta-se apenas -S:
 
  • conCH (“conk”) - conchS (conchas) 
  • monarCH (“mônark”) - monarchS (monarcas)
  • patriarCH (“patriark”) - patriarchS (patriarcas)
  • stomaCH (“stômak”) - stomachS (estômagos)
 

-S: 

  • buS - busES (ônibus)

 

-SS: 

  • claSS - classES (aulas)
  • glaSS - glassES (copos)
  • kiSS - kissES (beijos) 

 

-SH: 

 
  • bruSH -brushES (escovas)
  • craSH - crashES (colisões)
  • flaSH - flashES (lampejos)
  • wiSH - wishES (desejos) 

 

-X: 
   

  • boX - boxES (caixas)

  • foX - foxES (raposas) 

 

-Z:

  • topaZ - topazES (topázios)
 
Exceção: a maioria dos substantivos terminados em somente um -Z, no entanto, tem plural em -ZZES.
 
  • quiZ - quiZZES (testes)

 

-O: 

  • echO - echoES (ecos)
  • superherO - superheroES (super-heróis)
  • potatO - potatoES (batatas)
  • tomatO - tomatoES (tomates) 
 
Exceções: nas formas reduzidas e nos vocábulos de origem estrangeira terminados em -O, porém, acrescenta-se apenas -S:
 
  • avocadO - avocadoS (abacates)
  • cellO - celloS (violoncelos) 
  • commandO - commandoS (comandos)
  • dynamO - dynamoS (dínamos)
  • EskimO - EskimoS (esquimós)
  • ghettO - ghettoS (guetos) 
  • kilO - kiloS (quilos)
  • librettO - librettoS (libretos) 
  • logO - logoS (logotipos)
  • magnetO - magnetoS (magnetos)
  • photO - photoS (fotos)
  • pianO - pianoS
  • portfoliO - portfolioS (portfólios)
  • radiO - radioS (rádios)
  • solO - soloS (solos)
  • sopranO - sopranoS (sopranos)
  • studiO - studioS (estúdios)
  • tangO - tangoS (tangos)
  • videO - videoS (vídeos)
  • virtuosO - virtuosoS (virtuosos)
 
As palavras a seguir podem ter o plural em -S ou -ES (-ES é mais comum):
 
  • buffalO - buffalo(E)S
  • mosquitO - mosquito(E)S
  • tornadO - tornado(E)S
  • volcanO - volcano(E)S 

 

Substantivos que terminam em vogal + Y

Nesse caso, acrescenta-se comente -S no final. Veja:
 
  • bOy - boyS (meninos)
  • dAy - dayS (dias)
  • donkEy - donkeyS (burros)
  • essAy - essayS (ensaios)
  • gUy - guyS (caras, sujeitos, rapazes)
  • kEy - keyS (chaves)
  • monkEy - monkeyS (macacos)
  • plAy - playS (peças de teatro)
  • tOy - toyS (brinquedos)
 
Exceção: o plural da palavra SOLILOQUY (monólogo) não segue essa regra, ficando SOLILOQUIES.
 
 

Substantivos que terminam em consoante + Y

Nesse caso, retira-se o y e acrescenta-se -IES. Veja:
 
  • baBy (bebê) = babIES
  • boDy (corpo) = bodIES
  • ciTy (cidade) = citIES
  • countRy (país) = countrIES
  • dictionaRy (dicionário) = dictionarIES
  • famiLy (família) = familIES
  • feRRy (balsa) = ferrIES
  • fLy (mosca) = flIES
  • laDy (senhora, dama) = ladIES
  • parTy (festa)    = partIES
  • sKy (céu) = skIES
  • stoRy (narrativa) = storIES 
 

Substantivos que terminam em -OO

Nesse caso, acrescenta-se somente S no final. Veja:
 
  • cuckOO - cuckooS (cucos)
  • bambOO - bambooS (bambus)
  • zOO - zooS (jardins zoológicos) 
 
Plural irregular com troca de vogais: alguns substantivos não seguem a regra geral e têm uma forma própria de plural, que chamamos de plural irregular. As formas irregulares do plural apresentam diversas formações. A mais comum delas é a troca de vogais.
 
  • mAn - mEn (homens)
  • womAn - womEn (mulheres)
  • gentlemAn - gentlemEn (cavalheiros)
  • child - children (crianças; filhos)
  • ox - oxen (bois)
  • person - people (pessoas)
  • tOOth - tEEth (dentes)
  • fOOt - fEEt (pés)
  • gOOse - gEEse (gansos)
  • mouse - mice (camundongos)
  • louse - lice (piolhos)
  • die - dice (dados) 
 
Plural irregular terminado em -VES: em treze dos substantivos que terminam em -F ou -FE, trocam-se essas letras por -VES:
 
  • calF - calvES (bezerros)
  • elF - elvES (elfos, duendes)
  • halF - halvES (metades)
  • leaF - leavES (folhas)
  • liFE - livES (vidas)
  • kniFE - knivES (facas)
  • loaF - loavES (pães de forma)
  • selF - selvES (egos)
  • sheaF - sheavES (feixes)
  • shelF - shelvES (prateleiras)
  • thieF - thievES (ladrões)
  • wiFE - wivES (esposas)
  • wolF - wolvES (lobos) 
 
Alguns substantivos aceitam as duas formas de plural (sublinhado nas mais utilizadas): 
 
 
  • scarF - scarfS/scarVES (cachecóis)
  • dwarF - dwarfS/dwarVES (anões)
  • hooF - hoofS/hooVES (cascos)
  • wharF - wharfS/wharVES (cais)
  • stafF - staffS/staVES (equipes, quadros de funcionários, departamentos) 
 
Os demais substantivos terminados em -F ou -FE seguem a regra geral de acréscimo do -S:
 
  • beliEF - beliefS (crenças)
  • briEF - briefS (sumários, resumos)
  • clifF - cliffS (penhascos)
  • chiEF - chiefS (chefes)
  • cufF - cuffS (punhos de camisa)
  • griEF - griefS (dores, sofrimentos)
  • handkerchiEF - handkerchiefS (lenços)
  • rooF - roofS (telhados)
  • gulF - gulfS (golfos)
  • saFE - safeS (cofres)
  • prooF - proofS (provas)
  • cufF - cuffS (punhos de manga, bainhas)
  • reEF - reefS (recifes)
 
Substantivos que têm a mesma forma tanto no singular quanto no plural:
 
  • AIRCRAFT - aeronave(s)
  • DEER - veado(s)
  • ELK - alce(s)
  • FISH (FISHES - raro) - peixe(s)    
  • GROUSE - galinha(s) silvestre(s)
  • SALMON - salmão(ões) 
  • SHEEP - carneiro(s)
  • SHRIMP - camarão(ões)
  • TROUT - truta(s)
 
 
 
Alguns substantivos terminados em -S também têm a mesma forma tanto para o singular quanto para o plural. Nesses casos, o verbo correspondente também vai para o plural:
 
  • These STAIRS are too steep. (Essas escadas são muito íngremes.)
  • Good CLOTHES usually are expensive. (Roupas boas geralmente são caras.)
  • almS - esmola(s), donativo(s), caridade(s)
  • barrackS - quartel(éis)
  • clotheS - roupa(s)
  • credentialS - credencial(is)
  • crossroadS* - cruzamento(s) (de ruas, de estradas) , encruzilhada(s), ponto(s) crucial(is)
  • headquarterS* - quartel(éis)-general(is), centro(s) de operações 
  • workS - fábrica(s)
  • meanS - meios(s)
  • oatS - aveia(s)
  • outskirtS - margem(ns) da cidade, cercanias
  • richeS - bens, riquezas(s)
  • SwisS - suiço(s)
  • serieS - série(s) 
  • specieS - espécie(s)
  • stairS - escada(s)
  • surroundingS - arredor(es)
  • thankS - agradecimento(s) 
 
* Crossroads e headquarters também podem ter a forma no singular sem o “S”: crossroad e headquarter.
 
As Parelhas: as parelhas (também chamadas pluralia tantrum) são substantivos que designam coisas quem têm duas partes iguais, um par de (exemplo: óculos). Essas palavras só existem no plural, não possuem forma singular.
 
  • These JEANS were expensive. - E não: “This jeans was...” (Este jeans foi caro.)
  • I’m looking for some violet JEANS. - E não: “...a violet jeans” (Eu procuro um jeans violeta.)
  • Where are my GLASSES? - E não: “Where is my glasses?” (Onde estão meus óculos?)
 
Para expressar o singular dessas palavras, pode-se usar a pair of:
 
  • Have you got a pair of NAIL-SCIS    SORS? (Vocês têm uma tesoura de unha?)
  • binocularS - binóculo(s)
  • belongingS - pertences
  • drawerS - ceroulas
  • glasseS / eyeglasseS / spectacleS -     óculos
  • headphoneS - fone(s) de ouvido
  • jeanS - jeans
  • knickerS - calcinha(s) (UK informal)
  • outskirtS - margem(s) da cidade
  • scaleS - balança(s)
  • scissorS - tesoura(s)
  • shortS - shorts
  • slackS / pantS / trouserS  - calça(s)
  • plierS - alicate(s)
  • pyjamaS / pajamaS - pijama(s)
  • tightS - meia(s)-calça(s)
  • underpantS - cuecas 
 

 


Substantivos Incontáveis 

Os substantivos incontáveis só existem na forma singular. Ainda que o sentido seja plural, o verbo com o qual eles concordam, também fica sempre no singular. Veja alguns exemplos de possíveis equívocos:
 
  • There isn’t any WORK. - E não: “There aren’t any works”. (Não há trabalho algum.)
  • The NEWS is good: I’ve just graduated! - E não: “The news are good.” (As notícias são boas: eu acabei de me formar!)
 
Veja outros exemplos:
 
  • advice - conselho(s)
  • air - ar(es)
  • clothing - roupa(s)
  • coffee - café(s)
  • equipment - equipamento(s)
  • evidence - evidência(s), prova(s)
  • furniture - mobília(s)
  • homework - tarefa(s) de casa
  • housework - trabalho(s) domésticos
  • information - informação(ões)
  •  jewelry - joias
  • knowledge - conhecimento(s)
  • luggage/baggage - bagagem(ns)
  • milk - leite(s)
  • money - dinheiro
  • music - música(s)
  • news - notícia(s)
  • progress - progresso(s)
  • snow - neve
  • water - água
  • weather - tempo meteorológico
  • work - trabalho(s) 
 

“Falsos plurais”

A maioria dos nomes de ciências e outros substantivos terminados em -ICS é singular, isto é, não apresenta forma distinta quando no plural. O verbo correspondente fica no singular:
 
POLITICS is a complicated business which most people detest. (Política é um negócio complicado que a maioria das pessoas detesta.)
 
  • AcousticS (Acústica)
  • AthleticS (Atletismo)
  • ElectronicS (Eletrônica)
  • GeneticS (Genética)
  • LinguisticS (Linguística)
  • MathematicS (Matemática)
  • PhysicS (Física)
  • PoliticS (Política)
  • StatisticS (Estatística) 
 
No entanto, quando essas palavras são usadas com outros sentidos, o verbo poderá ir para o plural:
 
  • What are your POLITICS? (Quais são suas políticas?)
  • The unemployment STATISTICS are disturbing. (As estatísticas de desemprego são perturbadoras.)
 

Substantivos sem forma no singular 

Esses substantivos só existem no plural. Referem-se a um grupo de pessoas, um coletivo; logo, o verbo com o qual concordam também vai ficar sempre no plural.
 
  • cattle - gado(s)
  • police - polícia(s)
  • people* - pessoa(s), gente 
 
* Atenção para a palavra people, que pode significar tanto povo, no sentido demográfico, como gente, pessoas. O plural de people no sentido de povo é formado pelo acréscimo de -S:
 
  • The Brazilian PEOPLE enjoys carnival. (O povo brasileiro curte carnaval. - verbo no singular)
  • Some African PEOPLES have strange customs and beliefs for us. (Alguns povos africanos têm costumes e crenças estranhos para nós. - verbo no plural)
 
Já people no sentido de pessoas, gente é considerado um substantivo no plural (embora nunca com -s). Portanto, o verbo vai ficar sempre no plural:
 
  • Who are those PEOPLE waiting outside? (Quem são aquelas pessoas esperando lá fora?)
  • Certain PEOPLE think they are so important! (Certas pessoas se acham tão importantes!)
 
CATTLE (gado), por exemplo, é o substantivo no plural para designar o grupo de BULLS (touros), COWS (vacas) e CALVES (bezzeros). Ele não possui forma singular, e não pode ser usado para contar animais individualmente (não se pode dizer, por exemplo, THREE CATTLE).
 
  • Many cattle are suffering from a disease called BSE (Bovine Spongiform Encephalopathy), commonly known as Mad-Cow Disease (MCD). [Muitos bovinos sofrem de uma doença chamada BSE (encefalopatia espongiforme bovina), comumente conhecida como doença da vaca louca.]
  • The POLICE are looking for the robbers. - E não: “The police is looking...” (A polícia está procurando os assaltantes.)
  • The POLICE were working on the case. - E não: “The police was working...” (A polícia estava trabalhando no caso.)
 
 

Substantivos de origem grega ou latina 

Os substantivos de origem grega ou latina, muito presentes na linguagem científica, mantêm seus plurais originais.
 
G = palavras gregas
L = palavras latinas
 
 
  • alga - algae (L) - (algas)
  • alumnus - alumni (L) - (ex-alunos, alunos graduados)
  • analysis - analyses (L) - (análises)
  • appendix - appendices (L) - (apêndices)
  • axis - axes (L) - (eixos)
  • bacillus - bacilli (L) - (bacilos)
  • bacterium - bacteria (L) - (bactérias)
  • basis - bases (G) - (bases) 
  • cactus - cacti (L) - (cactos)
  • corpus - corpora (L) - (corpora)
  • crisis - crises (G) - (crises) 
  • criterion - criteria (G) - (critérios) 
  • datum - data (L) - (dados)
  • diagnosis - diagnoses (G) - (diagnósticos)
  • encyclopedia - encyclopedae (L) - (enciclopédias)
  • erratum - errata (L) - (erratas)
  • formula - formulae (L) - (fórmulas)
  • fungus - fungi (L) - (fungos)
  • hippopotamus - hippopotami (G) - (hipopótamos)
  • hypothesis - hipotheses (G) - (hipóteses)
  • index - indices (L) - (índices)
  • matrix - matrices (L) - (matrizes)
  • medium - media* (L) - (meios de comunicação)
  • nucleus - nuclei (L) - (núcleos)
  • oasis - oases (G) - (oásis)
  • phenomenon - phenomena (G) - (fenômenos) 
  • radius - radii (L) - (raios)
  • stimulus - stimuli (L) - (estímulos)
  • stratum - strata (L) - (estratos)
  • vertebra - vertebrae (L) - (vértebras) 
 
 
* A forma do plural media é geralmente usada como singular para se referir a um meio de comunicação em particular, como em “The Internet is the most exciting new MEDIA since television” (A Internet é o meio de comunicação mais motivante desde a televisão). Muitos consideram esse uso incorreto, preferindo usar medium nesses contextos. Esse desenvolvimento do singular media compara-se com o que ocorreu com palavras mais estabelecidas, como data e agenda, que também são plurais latinos que adquiriram um significado singular.
 
Há, porém, uma tendência em pluralizar palavras de origem estrangeira também como o plural do inglês, como: formulas, funguses, indexes, hippopotamuses e cactuses: 
  • dogma - dogmas (dogmas)
  • bureau - bureaus (escritórios comerciais, agências)
  • stadium - stadiums (estádios)
  • terminus - terminuses (términos)
  • memorandum - memorandums (memorandos) 
 
 
Note, então, que podemos tirar uma regrinha geral dessas pluralizações:
 
  • palavras terminadas em US-> troca para I ou ORA
  • palavras terminadas em IS -> troca para ES
  • palavras terminadas em IX -> troca para CES
  • palavras terminadas em UM -> troca para A
  • palavras terminadas em ON -> troca para A
  • palavras terminadas em A -> troca para AE
  • palavras terminadas em EX -> troca para ICES
 
 

Plural dos substantivos compostos

Em substantivos compostos com preposição ou advérbio, pluralizamos o componente principal (geralmente a primeira palavra):
 
  • brother-in-law - brotherS-in-law  (cunhados)
  • errand-boy - errand-boyS (mensageiros)
  • godfather - godfatherS (padrinhos)
  • maidservant - maidservantS (criadas)
  • mother-in-law - motherS-in-law (sogras)
  • passer-by - passerS-by (transeuntes)
  • runner-up - runnerS-up (vice-campeões)
  • stepdaughter - stepdaughterS (enteadas) 
 
Em substantivos compostos que incluem as palavras man e woman, as duas palavras devem ir para o plural:
 
  • woman doctor - women doctors (médicas)
  • manservant - menservants (criados) 
 
Plural em indicações de quantidade através de números, medidas, dinheiro:
 
Medidas e dinheiro seguem a regra geral do plural, acrescentando-se somente -S: 
 
  • ten kilometres(UK) / kilometers (US) - (dez quilômetros)
  • six litres (UK) / liters (US) - (seis litros)
  • two pounds/ dollars - (duas libras/dois dólares)
 
O verbo fica no singular quando se refere a uma soma, quantidade ou distância:  
 
  • Thousand DOLLARS is a lot of money. - E não: “1000 dollars are...” (Mil dólares é muito dinheiro.)
  • Three KILOMETERS isn’t far. - E não: “Three kilometers aren’t far.” (Três quilômetros não é uma longa distância.)
  • Seventy YEARS is a long time. - E não “Seventy years are...” (Setenta anos é muito tempo.)
 

Substantivo com número + hífen 

Quando um substantivo com número + hífen encontrar-se antes de outro substantivo, formando uma expressão com função adjetiva que modifica esse substantivo, o plural fica sem o -S, já que no inglês os adjetivos são invariáveis.
 
  • an 18-hour day (uma jornada de 18 horas)
  • a five-star hotel (um hotel cinco estrelas) 
 
Numerais dozen, hundred, thousand e million: após outro numeral, permanecem sem o -S.
 
  • 6 MILLION people - E não: “6 millions...”
  • 200,000 - two HUNDRED THOUSAND 
 

Did You Know That?

Professor é o professor da faculdade ou universidade, de alto conhecimento, e teacher é a pessoa que ensina, por exemplo, o professor até o ensino médio ou high school.
 
A regra do plural dos substantivos em inglês assemelha-se à regra de conjugação do Simple Present, na terceira pessoa do singular, quando acrescentávamos -S ao verbo, lembra-se?
Já é cadastrado? Faça o Login!