Textos: Fusos Horários

Fusos Horários

Como vimos, o movimento de rotação realizado pelo planeta Terra traz como principal consequência a sucessão dos dias e noites, que, por sua vez, ocasiona uma diferença de horários ao longo da superfície terrestre. Para padronizar um sistema horário mundial que facilitasse a organização das atividades humanas foram criados, ao final do século XIX, os Fusos Horários. Antes disso não havia um sistema horário mundial padronizado e as horas eram definidas de modo aproximado, observando o movimento aparente do Sol.

 

 

No ano de 1884, em Washington, capital dos Estados Unidos, ficou definido que o Meridiano de Greenwich seria usado como o meridiano de referência para a definição dos horários dos demais fusos. 

 

Cartaz identificando o Meridiano de Greenwich nas proximidades de Londres, no Reino Unido

 

Assim, utilizou-se a seguinte metodologia para definir os fusos horários:

 

  • A Terra demora aproximadamente 24 horas para dar uma volta completa em torno de si mesma, ou seja, um dia para se movimentar 360°;
 
  • Ao dividir os 360° por 24 horas, chega-se ao resultado de 15°;
 
  • Esses 15° representam 1 hora; logo, a Terra se move 15° a cada hora;
 
  • Como o movimento de rotação da Terra ocorre de oeste para leste e o movimento aparente do Sol de leste para oeste, as horas sempre estarão adiantadas em direção ao leste;
 
  • Portanto, ao partir do Meridiano de Greenwich, que vale 0° de longitude, todos os meridianos múltiplos de 15° são referência para a delimitação dos demais fusos, sendo que para leste as horas aumentam, e para oeste, diminuem;
 
  • É importante lembrar que os meridianos múltiplos de 15° são o centro de cada fuso, e não o limite de um fuso e outro.

 

O mapa-múndi apresentado a seguir apresenta a delimitação das faixas de fusos horários. 

 

Observe-o: 

 

Observe no mapa que o limite entre um fuso e outro não necessariamente é representado por linhas retas. Isso ocorre porque, em algumas situações, os países (ou cidades), caso fossem considerados os limites originais dos fusos, ficariam divididos em dois fusos. Para que isso não aconteça, as faixas de fusos podem sofrer adaptações. 

 

Para resolver os exercícios que tratam de fusos horários, é importante seguir alguns passos. Observe esse modelo de exercício resolvido:

 

Um viajante saiu de Brasília, localizada no fuso 45° O com destino a Berlim, localizada no fuso 15° L. Sabendo-se que o viajante saiu às 8 horas de Brasília e que a viagem durou 10 horas, calcule o horário da chegada em Berlim.

 
  • 1º passo: Descobrir a diferença de horas entre as duas localidades. Como Brasília e Berlim estão em hemisférios opostos, deve-se somar as duas longitudes; logo, 45° + 15° = 60°. Sabendo que as duas localidades distam entre si 60°, divide-se 60° por 15° (que é um fuso), o que resulta em 4 fusos ou 4 horas. Assim, como Berlim está a leste, soma-se essa diferença à hora de Brasília (8 horas + 4 horas = 12 horas). Portanto, quando o viajante saiu de Brasília, os relógios marcavam 12 horas em Berlim.
 
  • 2º passo: Somar o tempo gasto durante a viagem. Quando o viajante saiu de Brasília, os relógios em Berlim marcavam 12 horas. Como a viagem durou 10 horas, basta somar 12 horas + 10 horas = 22 horas. Portanto, o viajante chegou a Berlim às 22 horas. Viu como é fácil?

 

Obs.: Caso o exercício tivesse apresentado duas localidades pertencentes ao mesmo hemisfério, no momento de calcular a diferença de horas entre elas seria necessário subtrair a longitude maior pela menor, e não somar, como foi feito no exemplo ora apresentado.

 

Em Resumo

A Terra foi dividida em 24 fusos horários, sendo que cada um deles corresponde a uma hora diferente e possui longitude de 15°. O Meridiano de Greenwich é o meridiano de referência para a definição dos demais fusos. Vale ressaltar que as horas aumentam para o leste e diminuem para o oeste.

Já é cadastrado? Faça o Login!