Texto: Racionalismo

Racionalismo

 

O Uso da Razão

O racionalismo vem da palavra ratio, que dignifica razão. No que diz respeito às teorias do conhecimento, esse tipo de posição é oposto ao empirismo; logo, não se deve confiar nos sentidos de forma exclusiva, como fonte primeira do conhecimento. Mesmo porque, para os racionalistas, os sentidos eram fontes constantes de erros e equívocos de toda sorte. Vejamos, pois, como pensam os racionalistas. 

 

 

O mundo é complexo. Quando tentamos perceber esse mundo por meio de nossos sentidos (audição, visão, olfato, paladar e tato), somos constantemente levados a confusões. Quantas vezes, por exemplo, você viu uma pessoa se aproximar e imaginou que ela era mais alta do que verdadeiramente é? Quantas vezes, ao olhar para um avião que sobrevoava sua cidade, não teve a impressão de que ele não era tão grande assim? E quando você voltou a um lugar da sua infância que te parecia enorme, e, depois de crescido, você percebeu que não era assim tão enorme quanto te parecia na infância? . Esses são apenas alguns exemplos; nem entramos, ainda, em discussões mais profundas sobre a forma como seus sentidos insistem em te enganar, pelo menos se você for um racionalista. 

 

Sendo assim, já que os sentidos enganam e não posso depositar minha confiança neles, em que poderei confiar? Para um racionalista, a resposta parece óbvia, embora não seja simples: na razão. Somente a razão, trabalhando com princípios lógicos, pode revelar o conhecimento verdadeiro. Dessa maneira, as experiências não são as fontes de conhecimento, mas sim a razão. Somente o conhecimento produzido por ela pode ser universalmente aceito. 

 

Conhecimento Inato

Esses princípios lógicos, segundo os quais o conhecimento seria feito, já nasceriam com o homem, ou seja, seriam inatos. Inata é uma coisa que já faz parte da constituição humana; uma coisa que não depende de nenhuma experiência para existir. Qualquer conhecimento inato, desse modo, já seria adquirido pelo homem antes mesmo de qualquer experiência, isto é, já estaria na mente humana desde seu nascimento. Se a razão é inata, é ela a fonte primeira do conhecimento. 

 

 

Não devemos confundir racionalidade com racionalismo. Apesar de as duas palavras derivarem da mesma raiz, razão, elas significam coisas diferentes. Você já viu o que é racionalismo. Vejamos, agora, o que é racionalidade. 

 

Saiba Mais!

Um dos principais pensadores dessa corrente fora René Descartes (1596-1650), para quem haviam três conjuntos de ideias: as adventícias, representadas pelas ideias que abrolham por meio de informações obtidas pelos nossos sentidos; as factícias, ideias que têm origem na nossa imaginação; e as inatas, que não dependem da experiência e estão na nossa mente ao nascermos.

 

A Racionalidade e o Racionalismo

A racionalidade é um ideal. Desse modo, formular padrões do que seja racional é descrever modos a partir dos quais pensaríamos e agiríamos se pudéssemos escolher como funciona nossa mente. Julgamos uma coisa como racional quando, por meio dela, nos aproximamos da verdade. Sendo assim, quanto mais distantes do erro e da falsidade, mais racional seria um pensamento. 

 

Perceba que, enquanto o racionalismo é uma posição filosófica a partir da qual a fonte de conhecimento é a própria razão, a racionalidade, por outro lado, é o resultado do uso da razão. Agir de forma racional, portanto, seria operar de maneira coerente. Todos os homens possuem um certo grau de incoerência em suas ações e crenças. Uma pessoa racional é aquela que busca cada vez mais coerência entre o que pensa e o que acredita. Quando isso acontece, ela não se contradiz e, com isso, age de forma mais racional. 

 

Tudo isso parece bem confuso agora. Mas vejamos, com um pouco mais de atenção, a distinção entre as duas coisas. Racionalismo é uma postura filosófica, ao passo que racionalidade é o uso que fazemos de um dos elementos que nos compõe: a razão. É claro que um racionalista não acredita na inexistência dos sentidos: eles existem. O problema não é a sua inexistência, mas o erro que provêm deles. Desse modo, racionalista é a pessoa que para de confiar exclusivamente nos sentidos como fonte de conhecimento. No seu lugar, coloca a razão como esta fonte, mas perceba: esse não é o conceito que você daria para uma pessoa racional. 

 

Racional é a pessoa que demonstra coerência na sua maneira de pensar. Desse modo, pode ser que um empirista seja racional tanto quanto um racionalista. Os dois são racionais justamente porque utilizam a razão de forma coerente. É verdade que seus resultados são diferentes, mas a maneira que procedem para pensar é racional. Daí a formulação segundo a qual o homem é um animal racional, pois consegue raciocinar, pensar de maneira coerente. 

 

Bertranad Russel, certa vez, utilizou uma frase bastante interessante para pensar as ações dos homens de seu tempo: “O homem é um animal racional – ao menos foi o que me disseram. Ao longo da vida, procurei com cuidado uma evidência dessa afirmação, mas até agora não tive a sorte de encontrá-la” (Autobiografia, de Bertrand Russel). A crítica desse filósofo é muito inteligente. Ora, ao observar os homens de seu tempo, ele não conseguia chamá-los de racionais. Você também já deve ter feito a mesma crítica, por exemplo, quando analisou a assustadora quantidade de lixo que as pessoas jogam nas ruas. Quando chove, aquele lixo se acumula e impede o escoamento da água. Formam-se enchentes e situações terríveis. Isso te parece racional?

 

 

Parece racional o fato de tantas guerras inúteis acontecerem no mundo, matando milhares de pessoas? Parece racional existirem crianças passando fome enquanto os índices de produtividade agrícola no mundo não param de crescer? Se você respondeu não a alguma dessas perguntas, entendeu a crítica de Russel.

 

De fato, julgamos racional uma atitude que coincide com um ideal de racionalidade que criamos. Daí aquela definição que iniciou esta reflexão sobre a racionalidade: ela é um ideal. Tudo o que foge a esse ideal parece irracional. Percebendo isso, talvez seja mais fácil de você compreender que racionalidade não é a mesma coisa que racionalismo. 

 

Atenção!

racionalismo indica a teoria que atribui particular confiança na razão humana enquanto ferramenta capaz de alcançar a verdade. Portanto, alega que tudo o que existe tem uma causa inteligível, ainda que essa causa não possa ser provada empiricamente. Enfim, o pensamento por meio da razão é capaz de atingir a verdade absoluta.

 

Leitura

Para saber um pouco mais sobre um dos grandes pensadores racionalistas, seria interessante ler a obra O Discurso do Método, de René Descartes. 

 

Em Resumo

Racionalismo, como vimos, é uma postura acerca da fonte do conhecimento. Diferentemente dos empiristas, que acreditavam que a fonte do conhecimento é a experiência, para os racionalistas, a fonte é a própria razão. Racionalismo e empirismo são duas maneiras diferentes de organizar o conhecimento humano. Ao longo da história da Filosofia, muitos filósofos penderam para um ou para o outro lado dessa disputa. Enquanto Locke e Hume, por exemplo, defendiam o empirismo, Descartes e muitos modernos destacavam o racionalismo.

Vamos Praticar?
Já é cadastrado? Faça o Login!