Texto: Mito e a Compreensão do Universo

Mito e a Compreensão do Universo

Desde os tempos mais longínquos, o homem tenta compreender a realidade que o cerca. Toda essa contradição, que parece ser o universo, ora caos, ora harmonia, desperta no homem inúmeras curiosidades. 

 

 

Nessa tentativa de compreender o mundo e suas constantes transformações, o homem criou hipóteses e teorias que pudessem justificar o que ele percebe a respeito do universo.

 

E você, já supôs suas próprias teorias para explicar todas as transformações percebidas na nossa realidade? 

 

Isso parece ser uma tarefa um tanto quanto difícil. Às vezes, parece que nos falta conhecimento ou imaginação suficiente para explicar tantos eventos que ocorrem a nossa volta. 

 

Certamente, a tarefa de elaborar as próprias teorias a respeito da criação e das transformações do universo seria facilitada pelo acesso que temos às tecnologias, sobretudo, a internet. Nela, poderíamos encontrar a chave que nos auxilie nesse exercício. 

 

Entretanto, como seria propor teorias caso não lhe fosse dado quase nenhum recurso tecnológico? Naturalmente, a imaginação seria o primeiro recurso a ser utilizado. Foi com base nela que as primeiras explicações a respeito do universo foram construídas. 

 

Enfim, as narrativas mitológicas surgem em meio a essas condições de pouco recurso tecnológico, mas com o objetivo de explicar os inúmeros eventos percebidos pelo homem. 

 

O que é Mito?

De modo geral, mito pode ser definido como uma narrativa de cunho fictício que tem o objetivo de compreender fatos sociais e naturais. Nesse sentido, a compreensão dos eventos que percebemos na natureza ou na dinâmica social de uma dada comunidade eram obtidas mediante essas narrativas.   

 

Sendo assim, podemos afirmar que os mitos são uma construção simbólica da realidade. O que significa isso? Eles se fazem presentes na imaginação social, adquirindo um caráter de elaboração conceitual a respeito dos fatos percebidos pelo homem.

 

Nessa perspectiva, podemos afirmar que, embora possua um caráter fictício, vale lembrar que as narrativas mitológicas possuem valor de verdade para as sociedades que as cultuam. Assim, se compreendermos para além dos fatos apresentados nessas narrativas, encontraremos os valores e a moral que regem determinada sociedade, ou seja, os mitos contêm em seus fundamentos os costumes e as tradições de uma comunidade. 

 

Quem Narra os Mitos?

Embora tenha predominado no consciente coletivo ao longo do período cosmogônico ou teogônico, poucos eram os indivíduos responsáveis por transmitir o saber das narrativas mitológicas. 

 

Apenas os poetas rapsodos tinham autoridade e respeito para declarar tais narrativas. Tal autoridade e respeito, segundo a crença, eram sancionados pelos deuses. Nesse contexto, os poetas rapsodos eram os escolhidos e a eles era dada a incumbência de anunciar os acontecimentos que os deuses um dia contaram a eles. 

 

Dois são os poetas rapsodos mais conhecidos por nós. Provavelmente, você os conheça e ou conheça suas narrativas: Homero e Hesíodo.

 

O primeiro deles, Homero, tem como mais conhecida a obra Odisseia (ou Ulisses). Essa obra, compondo-se de quatro partes, narra as aventuras de Ulisses após a guerra de Troia, durante 10 anos de ausência do lar. 

 

 

Hesíodo, por sua vez, na obra Teogonia, narra a criação do mundo e consequentemente, relaciona, de forma cronológica, cada uma das gerações divinas. 

 

Portanto, segundo os gregos antigos, os deuses transmitiam aos poetas o conhecimento necessário para que eles pudessem relatar aos humanos os fatos verdadeiros, de modo a visualizarem a origem dos seres e de todas as coisas. 

 

Mito é Lenda?

É comum acreditarmos que mito e lenda têm o mesmo significado. Será que ambos os termos remetem à mesma característica do conhecimento?

 

Embora possuam elementos em comum, como, por exemplo, a imaginação e a oralidade, não podemos afirmar que mito e lenda são a mesma coisa. 

 

Como já vimos, os mitos são revestidos de uma simbologia e tentam explicar fenômenos que a ciência não conseguiu esclarecer. Quase sempre essas narrativas estão associadas a figuras de deuses e heróis e, além disso, buscam explicar a origem das coisas. 

 

Por outro lado, as lendas procuram dar explicações a fenômenos e/ou acontecimentos misteriosos e sobrenaturais, mas, sobretudo, diferenciam dos mitos na apresentação das personagens. Elas não possuem a obrigatoriedade de associar suas narrativas a deuses e heróis. 

 

E você, consegue identificar alguns mitos e lendas que são próprios da sua região ou do seu país?

 

Em Resumo

 O mito é compreendido como uma explicação dos eventos que ocorrem no universo e na vida dos homens, porém, os fundamentos dessa narrativa possuem um caráter fictício. Embora com esse caráter, destaca-se a importância das narrativas mitológicas no mundo antigo e contemporâneo. 

 

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Tradução, coordenação e revisão de Alfredo Bosi et al. 2.ed. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Temas de Filosofia. São Paulo: Moderna, 2012.

______. Filosofia com textos: Temas e história da Filosofia. São Paulo: Moderna, 2013.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 1986. 

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo. Ática, 2005

DIMENSTEIN, Gilberto; RODRIGUES, Marta M. Assumpção; GIANSANTI; Álvaro Cesar. Dez Lições de Filosofia. São Paulo: FTD, 2012.  

REALE, Giovanni Antiseri. História da filosofia. São Paulo: Pulus, 1990.

VERNANT, Jean Pierre. As origens do pensamento grego. Tradução, Ísis Borges B. da Fonseca. Rio de Janeiro: Difel, 2002. 

Já é cadastrado? Faça o Login!