Texto: Povos e Nações Africanas

Povos e Nações Africanas

O território africano pode ser chamado de berço da humanidade. Estudos apontam que foi nesse continente que o Homem apareceu e iniciou sua diáspora pelo mundo. Obviamente esse continente abrigou diversas populações ao longo de sua história de milhares de anos, considerando apenas o aparecimento do Homo sapiens, entretanto, alguns povos e nações ainda existem na África, com suas características culturais únicas, diferenciando-se dos demais povos.

 

 

Os Egípcios

Uma das civilizações mais estudadas, em razão da riqueza cultural e do material deixado por este povo, os egípcios foram, durante muitos anos, uma civilização que dominou o norte da África, nas proximidades do rio Nilo. 

 

A sociedade era dividida em diversas camadas sociais, sendo a figura do faraó a autoridade máxima e o detentor de grande riqueza. Além dos faraós, existiam os militares, os artesãos, os comerciantes, os sacerdotes, os escribas e os escravos.  

 

A região geográfica ocupada pelos egípcios é a mesma onde hoje está localizado o Egito, permanecendo com as terras que desde longa data ocupam e fazem história, da Antiguidade ao mundo contemporâneo. 

Máscara de um faraó egípcio feita em ouro. A marca registrada dos faraós era a ostentação da riqueza, mesmo após a morte, pois eram enterrados com seus bens materiais em sarcófagos e depositados em pirâmides e tumbas

 

Saiba Mais!

Os escribas eram responsáveis pela escrita de documentos e suas cópias. Além disso, lavravam documentos públicos e registravam parte da história egípcia, deixando um importante legado para os cientistas e para a sociedade interessada em conhecê-los.

                           Hieróglifos – Linguagem da civilização egípcia

 

Os Berberes

O povo berbere é conhecido desde a Antiguidade, tendo sido importante na criação das rotas comerciais entre a África e os continentes asiático e europeu. Vivendo, inicialmente, em tribos esparsas pelo deserto do Saara, os berberes sempre estiversm presente na região conhecida como Magreb (Mauritânia, Marrocos, Argélia, Mali, Líbia e Tunísia).

 

Com o passar dos anos, os povos berberes adquiriram a capacidade de se deslocar por grandes distâncias no deserto, tornando-se uma civilização nômade e migrando constantemente nas áreas pertencentes ao Magreb. Na questão religiosa, incorporaram o Islã como crença e hoje são povos que cultuam os rituais pertencentes a essa religião.

 

Essa característica nômade e de grande conhecimento das áreas desérticas possibilitaram aos berberes a comercialização de mercadorias entre os povos africanos e outros povos (Oriente Médio), mediando o comércio de produtos de uma região a outra. 

Berberes em deslocamento no deserto – uso do camelo como meio de transporte nas condições geográficas impostas

 

Os Bantos

Diferentemente dos berberes, os povos bantos não eram nômades e dominavam a técnica da agricultura, produzindo seu próprio alimento. A agricultura de subsistência possibilitou que os povos bantos fixassem residência e desenvolvessem sua tribo em torno da agricultura. Além disso, dominavam a caça e a pesca, complementando, assim, suas necessidades básicas alimentares.

 

 Indivíduo representante de um tipo dos povos bantos

 

Outro fato importante e que merece destaque em relação aos povos bantos relaciona-se ao conhecimento da metalurgia, embora os materiais produzidos fossem de pequeno porte. Mas é importante perceber a capacidade de transformação da matéria-prima em ferramenta para usos variados na sociedade em questão.

 

Procedência dos povos bantos e sudaneses

 

Os Sudaneses

Assim como os bantos, os sudaneses, originários da parte noroeste e oeste da África, vieram para o Brasil como mão de obra escrava durante a colonização portuguesa. Os sudaneses têm sua origem na região onde hoje estão localizados os países de Mali, Nigéria, Costa do Marfim, dentre outros, conforme mapa da procedência desses dois povos.

 

Uma das línguas dos sudaneses é o iorubá, nome dado aos próprios sudaneses dessa ramificação populacional. O iorubá foi bastante incorporado ao português com o passar dos anos, em razão da influência que esse idioma possui no candomblé, religião praticada em todo o Brasil e em regiões em que os povos sudaneses estiveram presentes (embora com outros nomes). 

 

No Brasil, o candomblé é uma das religiões de origem africana que permaneceu ao longo do tempo na cultura brasileira e ganhou adeptos, mantendo os costumes e rituais semelhantes ao que eram praticados na África, inclusive com os cantos na língua originária: o iorubá. 

 

Atenção!

O termo nação não significa país, mas população ou povo. Portanto, quando falamos de nação, estamos falando de povos, como os egípcios, os bantos, os sudaneses e os berberes. A nação somada ao território é que forma um país. 

 

 Você Sabia?

Muitos povos bantos vieram ao Brasil no período da colonização portuguesa, para serem usados como mão de obra escrava. A vinda de povos bantos ao Brasil promoveu um enriquecimento cultural da população brasileira pela hibridização de culturas. O samba, a capoeira, as religiões de origem africana, a congada, dentre outras práticas culturais são influências dos povos bantos. 

 

Em Resumo

Conhecer os povos e nações africanas é necessário para compreender as influências que alguns desses povos tiveram sobre o restante do mundo, principalmente por onde passaram, como no Brasil. Cada povo visto aqui é uma pequena parte da imensa quantidade de nações presentes na África, diferentes entre si, mas de grande riqueza cultural. 

Já é cadastrado? Faça o Login!