Texto: Ácidos

Ácidos

 

Sabores dos Ácidos

Neste tópico, estudaremos os ácidos. Você já percebeu que alguns alimentos possuem sabores azedos? Então, esses alimentos, tais como a laranja, o limão e o vinagre, possuem em sua constituição os ácidos, substâncias com sabor azedo. Com isso, suas características são de propriedade organoléptica, ou seja, podem ser percebidas por meio dos nossos sentidos.

 

 

As frutas cítricas são assim chamadas por terem determinada quantidade de ácido cítrico, que é fundamental para nossa vida. Ele também está presente em processos bioquímicos do nosso organimo, como, por exemplo, no Ciclo de Krebs. Este mesmo ácido também é usado como ingrediente em refrigerantes de limão e laranja. Abaixo, você pode conferir como é a molécula do ácido cítrico.

 

Ácido cítrico.

 

Definindo os Ácidos e Dando Nomes a Eles

Sabemos que não foi o sabor que caracterizou os ácidos, pois, como sabemos, é muito perigoso experimentar ou respirar substâncias desconhecidas. Os ácidos foram caracterizados devido às suas propriedades físicas e químicas, ou seja, dependendo de como uma substância se comporta diante de diversas condições é que se determina se uma substância é ou não um ácido.

 

O primeiro cientista a classificar substâncias como ácido foi Svante Arrhenius (1859-1927) e ele trabalhava apenas em meio aquoso, ou seja, Arrhenius classificou substâncias de acordo com o seu comportamento em água. Arrhenius chamou de ácidos as substâncias que, em meio aquoso, são ionizadas, produzindo como íon positivo o cátion H+ ou com mesmo significado H3O+, chamado de íon hidrônio, como mostra a reação abaixo:

 

Veja que o ácido clorídrico, ao reagir com água, forma hidrônio e íon cloreto. Esse processo é chamado de ionização, pois uma ligação covalente é quebrada, formando íons. No caso de ácidos de Arrhenius, os cátions serão sempre os ácidos. É importante sabermos que existem outras definições para ácidos, o que poderá ser pesquisado posteriormente.

 

Os ácidos também recebem nomes de acordo com regras estabelecidas pela IUPAC, que são diferentes para dois grandes grupos de átomos: os hidrácidos e os oxiácidos. Os hidrácidos são ácidos que não possuem oxigênio em sua estrutura. Por exemplo, o ácido clorídrico, como os demais hidrácidos, são nomeados segundo a regra abaixo:

 

 

Já a classe dos oxiácidos recebe uma nomenclatura de acordo com o íon formado quando esses ácidos são ionizados. Por exemplo, existem dois ácidos com nomes parecidos: o ácido nítrico e o ácido nitroso, respectivamente, HNO3 e HNO2, que, quando ionizados, têm ânions chamados de nitrato e nitrito.

 

           

Sempre que o nome do ânion terminar em –ato, o nome do ácido terminará em –ico, e, sempre que o nome do ânion terminar em –ito, o nome do ácido terá um sufixo terminado em –oso, como vimos nos exemplos citados. Existem oxiácidos muito parecidos, cujos ânions se diferem apenas pela quantidade de oxigênio. Assim, utiliza-se o prefixo hipo– com o sufixo –oso e o prefixo per– com sufixo –ico, como na tabela abaixo: 

 

 

Existe, ainda, o caso de ácidos formados pelos mesmos elementos com capacidades iguais de se ligarem, como na tabela abaixo, em que se usa os prefixos orto–, meta– e piro–:

 

 

Ácidos na Indústria

Até aqui falamos sobre como se caracteriza um ácido e como damos nomes a eles. Agora, falaremos sobre alguns ácidos muito importantes na indústria, fundamentais na produção de vários produtos consumidos ou usados na agricultura.

 

Ácido Sulfúrico

O ácido sulfúrico é incolor e libera bastante calor quando reage com água. Recomenda-se que ao se misturar os dois o ácido seja adicionado sobre a água, pois esta pode evaporar-se instantaneamente e causar acidentes, como queimaduras. Em contato com matéria orgânica, pode carbonizar, por isso, as regras de segurança no manuseio do ácido devem ser rigidamente seguidas.

 

Na indústria, o ácido sulfúrico é utilizado em vários processos, como na purificação da gasolina pela indústria agrícola, na produção de fertilizantes e até na fabricação de baterias:

 

 

Ácido Acético

O ácido acético ou, segundo as regras da
IUPAC, ácido etanoico é incolor, volátil e causa irritação nos olhos quando libera vapores. Além de ser corrosivo pode causar queimaduras quando em contato com a pele. Na indústria, é utilizado na produção de garrafas PET e na produção do vinagre. 

 

O vinagre é uma forma impura do ácido acético, e, segundo as legislações vigentes, deve compor, no máximo, 4% do produto total. Em outras palavras, se a composição é de no máximo 4%, em 100 ml de vinagre apenas 4 ml são de ácido acético.

 

Apenas 4% do vinagre é ácido acético.

 

Em Resumo

Neste tópico, estudamos uma das mais importantes funções inorgânicas: os ácidos. Vimos que, segundo a teoria de Arrhenius, essas substâncias liberaram o íon hidrônio em soluções aquosas. Estudamos a nomenclatura dos ácidos e vimos que elas dependem da nomenclatura do ânion quando o ácido é ionizado.

Vamos Praticar?
Já é cadastrado? Faça o Login!